Bronzeamento seguro: como curtir o sol sem prejudicar a sua saúde

Bronzeamento

A chegada do calor dá início a uma obsessão pelo bronzeamento perfeito – são diversos produtos, métodos e procedimentos estéticos para alcançar a corzinha de verão. Mas é preciso tomar cuidado: o sol é um perigoso agente para a pele e pode causar diversos problemas, caso a exposição seja indevida. Por isso, se você deseja perder a palidez da pele e alcançar o bronze desejado sem riscos à saúde, precisa estar atenta.

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que não existe nenhum bronzeamento por exposição ao sol que seja seguro. Isso porque o “bronzeado” do corpo é, na verdade, um mecanismo de defesa da pele contra a radiação ultravioleta, presente nos raios solares. Para se proteger, o corpo produz mais melanina – pigmento que dá cor à pele.

E se engana quem acha que o bronzeamento artificial pode ser segura: as câmaras utilizadas para o procedimento também fazem uso do mesmo tipo de energia (raios ultravioletas) para bronzear, portanto, pode ser tão perigosa quanto a exposição solar.

Quais os riscos da exposição solar indevida?

Exagerar na exposição à radiação ultravioleta pode causar diversos problemas, incluindo rugas, manchas no corpo e envelhecimento precoce. Riscos mais graves também entram para a lista, como um aumento nas chances de contrair câncer de pele, incluindo o melanoma. Esse último é um câncer agressivo e letal, responsável por 1,5 mil óbitos no Brasil. É importante destacar também que os efeitos da exposição solar são cumulativos – ou seja, são irreversíveis e podem demorar muitos anos para se manifestar.

Existe uma forma de bronzeamento seguro e natural?

A exposição solar deve ser feita sem exageros, fora do horário das 10h às 16h, sempre com o uso do protetor solar com FPS 30 no corpo e 50 no rosto (área de maior exposição). Além disso, para uma maior segurança, proteções físicas como guarda-sol e viseira também são indicados.

Já para quem busca um bronze longe do sol, a melhor alternativa são os autobronzeadores. Aplicados diretamente na pele, eles contam com dihidroxiacetona em sua fórmula, um componente que causa uma reação química no corpo responsável por pigmentar a camada externa, trazendo uma cor semelhante ao bronzeado.

Esses produtos são seguros, pois, ao contrário da radiação ultravioleta, eles não alteram o DNA e não estimulam a produção de melanina, já que apenas “tingem” a pele.

Proteja-se do sol devidamente conhecendo mais sobre qual o tipo de protetor mais adequado para a sua pele, e fique com uma cor maravilhosa o ano todo de forma natural.

Leia também