Thauany Lima

Cabelo é militância? Entenda porque as madeixas não se tratam apenas de estética

Cabelo é militância
De uns anos prá cá o empoderamento feminino vem crescendo rapidamente, principalmente quando o assunto é relacionado às mulheres negras.
A aceitação pelas características físicas e ancestralidades estão se tornando as principais pautas das mulheres pretas contemporâneas.
Assumir as madeixas naturais nos dias de hoje é uma forma de “desconstruir” os estereótipos de beleza imposto, realçando a beleza dos cabelos cacheados e crespos.
Quando se vai contra uma determinada regra social, transformando a causa em uma luta, é possível considerar uma forma de militância, já que está defendendo uma ideologia.

Cabelo é luta

Assumir o cabelo crespo ou cacheado, além de ser um ato estético, é uma forma de militância social, sabe por quê?
O gosto social criado no Brasil vem de influências europeias, ou seja, região onde as características físicas das pessoas se resumem em: pele branca, olhos claros, nariz fino, lábio pequeno e cabelos lisos.
Quando se é colonizado por um continente com essas características, se exige uma aparência próxima à deles, o que não se encaixa o cabelo crespo e cacheado.
De acordo com o dicionário, militância significa: “Prática da pessoa que defende uma causa, busca a transformação da sociedade através da ação: militância política, social, estudantil”, ou seja, quando se usa um cabelo para defender uma cultura rejeitada e ridicularizada, se torna um ato de militância.

A mulher na linha de frente

Se você é negra e está envolvida em grupos feministas já deve ter escutado sobre “a solidão da mulher negra”, não é mesmo?
A mulher negra, mãe, gorda, de pele escura, traços negróides e com o cabelo crespo, ainda é vista como impróprias para um relacionamento sério, sofrendo em muitos casos um celibato definitivo.
Fugir de certas características, como ter o cabelo cacheado e crespo, é uma atitude muito comum entre as mulheres negras, tudo na tentativa de minimizar a própria herança genética e se enquadrar em o universo embranquecedor.
A realidade é dura para quem prefere se adotar e respeitar suas características físicas. Amar o próprio cabelo é afrontoso, vai contra os estereótipos de beleza da sociedade racista atual, além de ser um ato de militância.

Muito mais que cabelo

Cabelo é militância, porém, não se trata apenas de cabelo essa luta, afinal, é um combate a culturas racistas que inferiorizam e ridicularizam as características negras.
Mulheres negras e “alisadas” não são menos ativistas quando o assunto é “igualdade racial”, visto que o cabelo não é a figura principal da luta.
A indústria da beleza vem acompanhando essa consciência de raça que cresce cada dia mais, trazendo “uma chuva de produtos” para mulheres e homens que estão amando suas curvaturas capilares.
A entrada do negro nas universidades e com acesso a internet explica o impacto gigantesco na economia e no afro consumo, explica alguns estudiosos. No entanto, saber identificar o oportunismo de algumas “marcas” é algo que a militância negra traz como pauta importante.
Gostou do texto? Que tal conhecer um pouco sobre a historia do black Power? Confira toda trajetória de resistência do cabelo crespo até os dias de hoje!

Cabelo é militância? Entenda porque as madeixas não se tratam apenas de estética
4.5 (90%) 4 vote[s]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *