Talitha Benjamin

Entenda a importância dos cuidados paliativos

Cuidados Paliativos

Quando uma pessoa está gravemente doente, o tratamento médico prioriza a melhora e a cura do paciente. No entanto, há casos onde a possibilidade de cura é pequena ou inexistente. Nesta situação, a medicina favorece o conforto físico, psicológico e emocional da pessoa por meio dos cuidados paliativos.

Objetivos do tratamento paliativo

O paliativismo consiste em um tipo de assistência medicinal que cuida dos doentes crônicos, cujo quadro não apresenta melhoras e ameaça a continuidade da vida. Esses tratamentos costumam envolver diversas especialidades, incluindomédicos, nutricionistas, assistentes sociais, psicólogos, psiquiatras, enfermeiros, fisioterapeutas, entre outros profissionais da saúde.

O principal objetivo do paliativismo é promover a qualidade de vida do enfermo e de seus familiares. Isso inclui o alívio do sofrimento físico e da dor, além de cuidados especiais para cada caso.

Segundo a psicóloga especializada em Avaliação Psicológica e Terapia Cognitivo Comportamental, Elaine Di Sarno, esse tipo de tratamento “resgata a possibilidade da morte como um evento natural e esperado na presença de doença ameaçadora da vida, focando o cuidado na pessoa e não na doença”.

Leia também: Entenda o papel da alimentação na sua saúde

O paliativismo se trata de um tratamento totalmente humanizado. Por essa razão, cada caso precisa ser analisado com cuidado. A medida que a doença avança, mesmo se a possibilidade de cura não seja totalmente descartada, os cuidados paliativos precisam ser ampliados, visando o bem estar psicológico, social, emocional e até mesmo espiritual do paciente.

Os paciente paliativo, a família e o lar

Um dos aspectos mais importantes do tratamento paliativo são os cuidados além do ambiente hospitalar. Isto é, permite que o paciente não fique apenas no hospital.

Segundo a doutora Elaine, o ambulatório, por mais que “exista um enorme arsenal de equipamentos para manutenção de variáveis vitais”, também é sinônimo de “procedimentos invasivos e dolorosos”. Por essa razão, os cuidados paliativos domiciliar se diferenciam pois “permitem o acolhimento em seu próprio lar, próximo à família e sem a obrigatoriedade de se adequar à rotina hospitalar.

Leia Técnicas de relaxamento: como aliviar as tensões do dia a dia em simples passos

A doutora ainda ressalta a importância do apoio e participação familiar nos cuidados paliativos. Seja em domicílio ou no hospital, “o apoio da família integra aspectos psicossociais e espirituais e, ao mesmo, tempo dá suporte e ajuda para que os parentes possam trabalhar a perda e o luto.”

O paliativismo e o seu impacto no psicológico

Um paciente em fase terminal encontra-se em uma situação muito delicada. O adoecimento e o tratamento causam intensos efeitos no corpo e mente do enfermo.

Elaine explica que pessoas em situação de risco de vida convivem com perdas diárias: “perda da saúde, do corpo perfeito, de papéis sociais e, em certa medida, a ‘perda de si’. Por isso, é necessário que as manifestações emocionais sejam avaliadas, pois podem ser graves e influenciar na qualidade de vida do paciente e até mesmo a reação ao tratamento”, alerta a doutora.

Leia também: Saúde mental: O que é, e importância de manter a mente sã

Por essa razão, as intervenções psicoterapêuticas como parte dos cuidados paliativos são extremamente importantes para buscar um estado de equilíbrio e bem-estar para os pacientes, familiares e amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *