Thauany Lima

Eletrônicos para crianças: como evitar que seu filho fique viciado

Eletrônicos para crianças
Atualmente, é quase inevitável tirar as crianças dos meios eletrônicos, sejam eles: celulares, tablets, laptops, entre outros.
Já se tornou um hábito os pequenos, desde a primeira infância, saberem usar o touch de qualquer eletrônico que encontrem. De acordo com a psicóloga e especialista em terapia cognitiva comportamental, Ellen Moraes Senra, as crianças aprendem por amostras, ou seja, elas são reflexos das referências que tem.
Pensando em ajudar a diminuir o consumo eletrônico das crianças, separamos as principais dicas da especialista em comportamento para auxiliá-los. Confira!

Qual a idade certa para liberar os dispositivos eletrônicos para os filhos?

Para a psicóloga Ellen Moraes, a idade não é relevante quando o assunto é “eletrônicos”, o importante é se atentar ao que a criança está consumindo e o tempo que está online:“Não existe uma idade certa definida para deixar as crianças terem acesso aos meios eletrônicos, hoje em dia até os bebês estão sempre conectados, principalmente por vídeos que os pais colocam no celular para acalmá-los e, isso não é um problema, desde que não vire uma espécie de “resolve problema” constantemente para os pais. Quando o assunto são os “jogos” não é diferente, a questão é saber discernir o que é ou não adequado para os pequenos”.

É saudável para as crianças brincarem com eletrônicos desde cedo?

A especialista alerta que o problema nesse assunto não é a saúde, mas sim, a disciplina e limites no consumo de jogos e vídeos: “Não é uma questão de não ser saudável, até porque as crianças hoje em dia possuem habilidades que nós mesmos não possuíamos em igual idade. O que devemos observar é a frequência e o tempo de uso, pois as maiores habilidades motoras e cognitivas se desenvolvem na interação da criança com o meio, caso a criança não brinque de atividades indicadas para sua faixa etária, isso pode interferir diretamente em seu desenvolvimento”.

Para os pais que desejam evitar o contato dos filhos com os eletrônicos, como diminuir o ritmo?

“Difícil, pois crianças aprendem por exemplos, então mesmo que uma criança goste de brincar de outras coisas, em algum momento a mesma irá desenvolver esse tipo de interesse ao ver outras crianças brincando. Por isso, novamente a questão é o equilíbrio e a vigília dos pais sobre o conteúdo que a criança está consumindo”, explica Ellen Moraes.
Visto que os eletrônicos NÃO SÃO os maiores inimigos das crianças e, sim, a forma que eles são administrados no tempo desses indivíduos, ou seja, fica claro que a vigilância dos pais é fundamental para o desenvolvimento dos pequenos.
O ideal não é apenas proibir o uso desses equipamentos, mas também mostrar outras opções de divertimento para os filhos, na intenção de evitar a utilização excessiva dos dispositivos.
Gostou das dicas de como evitar a dependência de eletrônicos na vida das crianças? Que tal aprender a fazer brinquedos com seus filhos? Confira!

Eletrônicos para crianças: como evitar que seu filho fique viciado
4.7 (93.33%) 6 votes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *