Talitha Benjamin

O que são os esfoliantes químicos e quais seus benefícios

Esfoliante químico

Uma das etapas mais importantes na rotina de cuidados com a pele é a esfoliação.
Todos os dias, diversas moléculas e microorganismos derivadas de cosméticos, poluição e células mortas escapam da limpeza diária e permanecem nos poros. Junto com a limpeza, tonificação e hidratação da pele, o esfoliante químico garante que a pele esteja realmente limpa.

Leia também: Esfoliante caseiro: dicas e receitas para diferentes tipos de pele

Segundo o Doutor Alberto Cordeiro, dermatologista à frente da Hōraios Estética, o processo de esfoliação é essencial não apenas para a limpeza, mas também para a renovação da pele: “ela remove as células mortas e impurezas, deixando a pele mais viçosa e com aparência mais saudável.”

Quais são os esfoliantes químicos?

Doutor Alberto explica que os esfoliantes agem de forma diferente, porém, com o mesmo objetivo: a melhora do viço e da textura da derme.

“Diferente da esfoliação física – que é feita com os cremes com os grânulos visíveis – o esfoliante químico depende única e exclusivamente da sua fórmula para agir”, afirma.

Leia também: Cuidados com a pele: 4 erros que cometemos e prejudicam o rosto

Essa fórmula é fabricada por meio de misturas de elementos químicos, e em geral, possuem o pH ácido: “ela, por si só, é ideal para remover as impurezas, enquanto a esfoliação física precisa de uma aplicação mais complicada para funcionar” explica.

A esfoliação química depende de grânulos que removem as impurezas através do atrito com a pele, precisando que haja um tempo maior de aplicação, pois exige uma massagem específica.

Como utilizar os esfoliantes químicos?

Por se tratar de uma fórmula ácida, esse tipo de esfoliante precisa ser utilizado com o acompanhamento de um profissional dermatologista. Em geral, o que precisa ser observado é o tipo de ácido presente no produto e como ele reagirá na pele. Fora isso, esse tipo de tratamento pode ser realizado por qualquer pessoa.

Leia também: Como tirar roxo da pele: dicas para você cobrir marquinhas

O tipo da derme também interfere na quantidade de esfoliações que podem ser realizadas: peles oleosas são mais resistentes à fatores externos e, por isso, podem ser esfoliadas com mais frequência – dependendo da necessidade. Já nas peles secas, o ideal é dar um intervalo maior antes de realizar uma esfoliação intensa – e manter a pele sempre hidratada.

O esfoliante químico usado corretamente garante uma pele viçosa, de textura macia e brilhante, livre de impurezas e células mortas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *