Talitha Benjamin

Por que o big chop é um ato de coragem?

Big chop

A transição capilar não é nada fácil. Abandonar as técnicas de alisamento e relaxamento requer tempo, adaptação, e muita, mas MUITA paciência. Quando as várias texturas
presentes nos fios dificultam a definição do cabelo, é que chegou a hora de fazer o big chop.

Para muitas, o big chop é uma decisão bem difícil de se tomar, já que várias dúvidas podem surgir, como: “Vai combinar com o meu rosto?” “Será que vou me acostumar com a real textura do meu cabelo?”

Leia também: Tipo de cabelo: Descubra qual é o seu

Esses questionamentos são normais, afinal, são anos de alisamento, e muitas mulheres nem sequer conhecem o seu cabelo natural.

Para te ajudar diante de toda essa indecisão e receio, veja abaixo histórias de mulheres que já passaram pelo big chop e estão felizes por abrir mão do comprimento dos fios.

Sem paciência para as duas texturas

Todo mundo sabe que a transição é longa para muitas cacheadas e crespas, principalmente quando os fios estão com duas texturas.

Justamente por isso, Jackeline de Souza Bezerra, que trabalha como vigilante, resolveu criar coragem e encarar a tesoura.

Leia também: Penteados para ajudar você a passar pela transição

“Eu estava bem ‘P’ da vida porque tentava finalizar o cabelo e ele não estava ficando legal. Quando ele finalmente ficava, o day after era horrível!”, conta.

Big chop antes e depois
Jackeline antes do big chop
Big chop antes e depois
Jackeline depois do big chop

Assim como Jackeline, Ivanir Tertuliano da Silva, de 40 anos, também passou pelo big chop. O resultado do corte foi impactante para ela, que chegou a se arrepender ao ver fotos do cabelo antigo e ao ouvir comentários negativos: “alguns não gostaram da mudança”, relata.

big chop antes e depois
Ivanir antes do big chop
Big chop antes e depois
Ivanir depois do big chop

O preconceito desanima, mas o cabelo curto acaba conquistando corações

A reação negativa ao cabelo curto em mulheres é bem comum. A vigilante Jackeline diz que ainda sofre muito bullying por causa do comprimento e da curvatura do seu corte atual, mas que não se deixa abalar.

“Sigo firme e não vejo a hora do meu cabelo crescer para mostrar para todo mundo o quanto ele é lindo e que, ao contrário de que uns achavam, eu venci a transição” comenta ela, que tentou fugir do BC algumas vezes cortando apenas as pontinhas dos fios.

Mesmo com os comentários negativos, dos arrependimentos momentâneos e da “relação de amor e ódio”, o cabelo curtinho também conquistou Ivanir de jeito.

Ela optou por um corte moderno para tirar a química dos fios e, depois de algum tempo, se acostumou e garante que está adorando.

Ato de coragem

Muitas mulheres que passam pela transição capilar e fazem o big chop têm histórias parecidas. São poucos os casos onde não há receio de passar por essa etapa, que não é chamada de “grande corte” à toa.

Jackeline e Ivanir são apenas exemplos de mulheres corajosas que disseram adeus às químicas e aos cabelos longos e que, mais que isso, seguiram firme com suas escolhas, provando que a transição é árdua, mas sempre compensa.

Aproveite e confira também algumas histórias inspiradoras sobre aceitação do cabelo crespo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *