Thauany Lima

Feminismo Negro e porque é importante falar sobre isso

Desenho de uma mulher negra com a legenda "We can do it!"

Por volta dos anos 60, o movimento feminista socialista foi ganhando corpo nos Estados Unidos das América, porém, por outro lado, esse feminismo tradicional se apresentou inconsistente na representação das diferenças que unem todas as mulheres.
Isso porque o feminismo da década de 60 pode ser considerado uma luta de mulheres brancas, heterossexuais e de classe média. Com o objetivo de mostrar os estereótipos criados pelas opressões patriarcais, ou seja, relações entre homens e mulheres e seus papeis sociais.
O feminismo lutava por causa dos papeis de gêneros, ou melhor, combatia a implantação da natureza feminina e masculina.
Pela falta de compreensão e representação das mulheres negras, o feminismo negro nasceu na onda feminista do século 60 a 80, assumindo um papel valiosíssimo.

Porque um feminismo negro?

É muito comum as pessoas questionarem essa segregação feminista, afinal, o feminismo tradicional já não é basicamente uma luta de todas as mulheres por direitos iguais?!
Pois bem, as mulheres negras precisavam do seu lugar de fala, afinal, vieram de uma história completamente diferente das mulheres brancas de classe média, tendo em vista que mulher negra sofre uma dupla opressão: uma porque é negra e outra porque é mulher, tudo isso em uma sociedade racista e machista.
Além disso também existe a questão social, que por herança da escravatura a maioria da população negra é pobre, é a maioria nas periferias e traz o menor índice de educação.
O feminismo negro não pode ser considerado mais importante que a luta das mulheres brancas, porém, o feminismo negro carregam questões que não atingem diretamente as mulheres brancas.

Feminismo negro e suas lutas

É possível citar alguns exemplos simples que mostram a diferença entre as opressões de mulheres negras na sociedade atual.

  1. A quantidade de mulheres negras e brancas na mídia é totalmente heterogênea.
  2. O número de mulheres negras, principalmente de pele escura, nas faculdades é menor.
  3. Os maiores cargos de grandes empresas são ocupados por homens brancos ou mulheres brancas.
  4. Mulheres negras são consideradas imorais ou barraqueiras.
  5. Mulher negra é objetificada e erotizada.
  6. Mulher negra, principalmente gorda, sempre é apontada como empregada domestica.
  7. A indústria de cosmético não oferece para a mulher preta a variedade de produtos que disponibiliza para as mulheres brancas.
  8. Os cabelos cacheados e crespos não são vistos como bonitos, no máximo, aceitáveis.
  9. Os homicídios femininos no Brasil, 71% são cometidos em mulheres negras.

Símbolo do feminismo negro

O feminismo negro, durante sua formação e lutas, trouxe dezenas de mulheres negras poderosíssimas para ensinar e guiar as ideias do movimento.
Angela Davis talvez seja a mais conhecida e estudada pelas mulheres que adotaram a causa das mulheres negras.
A feminista e ativista negra Angela Davis é uma das principais vozes do feminismo negro dos Estados Unidos. Autora de diversos livros, ela é reconhecida pela participação no Partido dos Panteras Negras (Black Panther Party ou BPP).
Davis era tudo que os homens brancos odiavam: mulher negra, ativa, inteligente, orgulhosa, dona de si, desafiadora e corajosa.
A autora continua lutado pelos direitos as mulheres negras e influenciando as novas gerações a entrarem nessa luta.

Saiba mais sobre racismo e como ele afeta a população negra em todos os setores.

Feminismo Negro e porque é importante falar sobre isso
Avalie esse conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *