Porque o machismo no trabalho vai muito além do assédio

Por: Luana Queiroz
Machismo no trabalho
O machismo no trabalho afeta a evolução profissional das mulheres

O machismo no ambiente corporativo não é novidade e, mesmo com todas as evoluções e debates propostos neste espaço, ainda é recorrente, afetando o desempenho e saúde de muitas mulheres

Explícito ou velado, o machismo no trabalho acontece de diversas maneiras, evidenciando a enorme desigualdade de gênero dentro das corporações, que acaba por alimentar esse tipo de conduta. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, apenas no ano de 2095 será atingida a igualdade de gênero.

Diante de um cenário pouco animador, como identificar exemplos de machismo no trabalho? Há alguns comportamentos masculinos que desvalorizam as mulheres e que são categorizados como machismo no trabalho, como:

  • Interrupção da fala
  • Explicação do óbvio
  • Repetição de ideias
  • Roubo de ideias
  • Piadas com particularidades da mulher
  • Comparações com homens como “elogio”

Para entender as particularidades de cada um desses eventos e como eles afetam mulheres de todas as idades dentro de empresas de qualquer porte, continue lendo.

Machismo no trabalho

O machismo significa, de acordo com o dicionário Michaelis, “ideologia da supremacia do macho que nega a igualdade de direitos para homens e mulheres”, ou seja, um tipo de comportamento que favorece o gênero masculino em detrimento ao feminino, e se manifesta de diversas formas – inclusive, na vida profissional. Veja como o machismo no ambiente de trabalho atua:

Interrupção da fala ou manterrupting

O termo em inglês manterrupting é a junção das palavras man (homem) e interrupting (interromper) e foi criada para denominar as interrupções masculinas desnecessárias. Um exemplo é quando, em uma reunião, um homem interrompe a fala de uma mulher e não a deixa concluir e expor sua ideia.

Explicação do óbvio ou mansplaining

O mansplaining (homem explicando, em inglês) diz respeito a quando um homem explica para uma mulher algo simples ou que ela já tem domínio, de maneira óbvia, subjugando sua inteligência e conhecimento. O termo “mansplaining” foi criado pela escritora Rebecca Solnit depois que um homem resolveu lhe explicar sobre um livro que ela mesma tinha escrito.

Repetição de ideias

Similar à explicação do óbvio, há casos em que um homem repete exatamente o que uma mulher acabou de dizer, subjugando, novamente, sua capacidade intelectual e reforçando a ideia de que algo para ser aceito e entendido precisa ser dito por um homem.

Roubo de ideias ou bropriating

Bropriating, em inglês, é a junção do prefixo bro (de brother – irmão, cara) e propriating (da palavra appropriating – apropriação) e surgiu para designar situações em que um homem apresenta ideias como se fossem de sua autoria, tomando para si todos os créditos que deveriam ser de um mulher.

Piadas com particularidades da mulher

A frase “você está de TPM” soa familiar? Essa é apenas uma das expressões que são ditas para diminuir a voz da mulher a apenas uma manifestação hormonal, reduzindo, também, seu valor em comparação aos homens.

Comparações com homens como “elogio” 

Afirmar que uma mulher “trabalha como homem”, como se isso fosse um elogio, reforçando que existe uma superioridade masculina no desempenho profissional.

Como lidar com machismo no trabalho

Não é uma tarefa fácil lidar com essas situações, tampouco ter o trabalho subjugado apenas pelo gênero. Mas o silêncio não pode ser mais uma opção e o melhor caminho para eliminar esse tipo de comportamento é a denúncia

Para as empresas e líderes ficam dois alertas: identifique e combatam eventuais condutas machistas e adotem culturas organizacionais com diversidade e igualdade de gênero. Não é preciso esperar até 2095 para proporcionar e vivenciar um ambiente de trabalho saudável para mulheres. 

Leia também