Tayla Pinotti

Veja os mitos e as verdades sobre o diabetes

Diabetes

Apesar de ser uma doença que afeta mais de 13 milhões de pessoas no Brasil – o equivalente a quase 7% da população, ainda existem muitos mitos acerca do diabetes.

A endocrinologista Thais Castanheira de Freitas, do Hospital Santa Paula, explica que o diabetes é uma doença crônica que consiste em uma redução na capacidade pancreática de produzir insulina ou na dificuldade em usá-la adequadamente devido a uma resistência.

“Sendo assim, há um acúmulo de glicose no sangue, a hiperglicemia, que ao longo do tempo é maléfica à órgãos e tecidos”, explica.

Apesar de ser comumente associada à maus hábitos alimentares, como o consumo excessivo de açúcar, essa não é a única causa do diabetes.

O diabetes tipo 1, mais comum na infância, é uma doença imunológica em que há o surgimento de autoanticorpos que agridem o pâncreas levando a perda de função e de produção de insulina.

Já o diabetes tipo 2 é mais comum e é causado por uma predisposição genética/ familiar associada a fatores ambientais como obesidade, má alimentação e sedentarismo.

Para combater a desinformação acerca da doença, especialistas esclarecem quais são os principais mitos e verdades acerca do diabetes. Confira abaixo.

Mitos e verdades do diabetes

O estresse descontrola o diabetes

Verdade. Thais Castanheira de Freitas explica que o estresse pode ajudar a descontrolar o diabetes devido à liberação de hormônios como catecolaminas e cortisol que agem de maneira contrária à insulina.

Uma pessoa diabética pode consumir mel, açúcar mascavo e caldo de cana sem problemas

Mito. De acordo com a endocrinologista, quem tem diabetes deve evitar alimentos com alto índice glicêmico, ou seja, ricos em açúcares e que, portanto, irão aumentar a glicemia do sangue. Mel, todos os tipos de açúcares e caldo de cana devem ser evitados.

Canela ajuda a controlar o diabetes

Mito. Não há nenhuma evidência científica de que a canela ajuda a controlar o diabetes.

Quem tem diabetes deve substituir o açúcar dos alimentos por adoçante

Verdade. “O adoçante não eleva a glicemia como os açúcares em geral e deve ser usado preferencialmente”, explica Thais Castanheira.

Existem alimentos que ajudam a controlar os níveis de glicose no sangue e auxiliam o tratamento da doença

Verdade. A endocrinologista afirma que uma dieta balanceada, pobre em açúcar e carboidratos simples auxilia no controle do diabetes. No entanto, é importante lembrar que não existe um alimento específico que reduz a glicemia, o que ajuda são bons hábitos alimentares em conjunto com o tratamento medicamentoso.

Diabetes é uma doença contagiosa

Mito. O diabetes não é transmitido de pessoa para pessoa e, inclusive, é urgentemente necessário desmistificar a ideia de que um diabético não pode ter vida social.

Quem tem diabetes não deve ingerir bebidas alcoólicas

Verdade. “O uso de bebidas alcoólicas é desencorajado nos pacientes diabéticos por aumentar o risco de hipoglicemias, que é a queda excessiva da glicose no sangue. Sendo assim, é recomendado que os diabéticos tomem no máximo 1 drink por dia”, explica a médica do Hospital Santa Paula.

Fumar é contraindicado para pacientes com diabetes

Verdade. Tanto o diabetes quanto o tabagismo são fatores de risco para doenças cardiovasculares como infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral. Thais Castanheira ressalta que a soma desses dois fatores aumenta a chance do paciente em ter algum evento cardiovascular durante a vida.

Quem tem diabetes deve evitar exercícios físicos pesados

Mito. A prática de exercícios físicos sempre é encorajada nos pacientes diabéticos. No entanto, especialistas ressaltam que a intensidade do exercício vai depender da condição física do paciente e deve ser uma decisão em conjunto com o médico. Nos pacientes usuários de insulina existem certas precauções em relação a glicemia antes da prática de atividade física e a reposição de carboidratos no meio do exercício.

Dá para evitar a insulina se você não ingere carboidratos

Mito. A endocrinologista do Hospital Santa Paula explica que, no caso dos pacientes com diabetes tipo 1, o tratamento depende totalmente da insulina independentemente da dieta. Já nos pacientes com diabetes tipo 2, uma dieta com redução em carboidratos pode auxiliar no controle da doença, mas a decisão do uso da insulina ou não varia com o estágio da doença, do paciente e da decisão do médico.

A aplicação de insulina causa dependência química

Mito. A insulina não causa dependência química e todos nós precisamos dela por sua função fundamental no transporte de glicose no organismo. Os pacientes diabéticos ou precisam de insulina, ou precisam de medicamentos que auxiliam a produção de insulina adequada. Pacientes com diabetes tipo 1, que não produzem insulina, precisam da aplicação diária de insulina, correndo risco de morte se não fizerem.

A monitorização da glicemia é fundamental para o controle do diabetes

Verdade. Nos pacientes usuários de insulina a monitorização glicêmica é essencial para o controle do diabetes e mudança nas doses de insulina, devendo ser encorajada em todos os pacientes. Nos pacientes que controlam o diabetes só com medicamentos orais a monitorização raramente é realizada e é dispensável, exceto em situações especiais.

A monitorização da glicemia é fundamental para o controle do diabetes

Verdade. Nos pacientes usuários de insulina a monitorização glicêmica é essencial para o controle do diabetes e mudança nas doses de insulina, devendo ser encorajada em todos os pacientes. Nos pacientes que controlam o diabetes só com medicamentos orais a monitorização raramente é realizada e é dispensável, exceto em situações especiais.

A glicose não pode ser medida pelos próprios pacientes

Mito. Jellin Chuang, endocrinologista e gerente médica da Roche Diabetes, explica que o monitoramento da glicemia é feito por meio de um aparelho chamado glicosímetro, onde o próprio paciente pode realizar o teste e saber qual o nível exato de açúcar no sangue naquele momento. “Para fazer o teste, basta retirar uma mínima amostra de sangue do dedo e colocá-la na tira medidora de glicemia que está introduzida no local indicado do aparelho. O resultado aparece na tela após alguns segundos”, conta.

É necessário monitorar a glicemia com frequência

Verdade. “É primordial que o paciente com diabetes monitore sua glicemia em diferentes horários do dia e sempre converse com o seu médico sobre isso. Quando a glicemia está descontrolada, recomenda-se que o paciente meça ao menos seis vezes ao dia, sendo três vezes antes das principais refeições e três após duas horas das refeições. Já quando a glicemia está controlada, é possível flexibilizar as medições de acordo com a recomendação do médico”, explica a endocrinologista Jellin Chuang.

Veja os mitos e as verdades sobre o diabetes
4.8 (96%) 5 vote[s]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *