Tayla Pinotti

Entenda o que é a síndrome do pequeno poder e saiba como combatê-la

síndrome do pequeno poder

Aquele seu colega de trabalho acabou de receber uma promoção e já está dando ordens e dificultando a vida de outros colabores? Então ele pode estar sofrendo com a síndrome do pequeno poder.

Apesar de ser muito comum principalmente no ambiente corporativo, essa síndrome pode acontecer em qualquer tipo de relação – como nas familiares, afetivas ou em qualquer outro ambiente onde haja interação social.

Nas universidades, por exemplo, não é raro ver docentes usando o cargo para rebaixar estudantes, desmerecendo sua inteligência ou até mesmo fazendo exigências absurdas.

O que é a síndrome do pequeno poder

Para a psicologia, a síndrome do pequeno poder é quando, ao receber um poder, um indivíduo passa a ter atitudes de autoritarismo, usando sua posição de forma absoluta, sem medir as consequência dos seus atos.

Isso porque uma pessoa que maltrata e humilha outra costuma não ter sensibilidade e empatia com o sofrimento alheio e, dessa forma, não percebe os danos que comete ao outro.

Também por este motivo é que, apesar de parecer um problema individual, essa síndrome acaba se tornando uma questão social, já que interfere nos mais diversos âmbitos e relações do dia a dia.

É importante lembrar que as relações de poder fazem parte da vida em sociedade, mas que um verdadeiro líder não precisa utilizar sua posição para prejudicar ou diminuir outras pessoas.

A síndrome do pequeno poder mostra que indivíduos que, muitas vezes nem estão em posições de liderança, enfrentam uma espécie de distorção da realidade e, ao mesmo tempo que estão com o ego inflado, também podem sofrer com a insegurança nas próprias capacidades.

Opressor e oprimido


De acordo com profissionais da psicologia, a síndrome do pequeno poder afeta tanto o opressor (a pessoa com o “poder” em questão) quanto o oprimido (pessoas em geral afetadas).

Ambos podem ser atingidos pela ansiedade e depressão, um porque o poder acaba “subindo para a cabeça” e o outro porque sofre com humilhações e rebaixamentos.

Vale lembrar que, além dos exemplos já citados, como a relação de chefe – subordinados e professor – alunos, também podemos citar as relações conjugais, as relações parentais ou a relação entre clientes e prestadores de serviços.

Em todos os casos é preciso ter cuidado para que a opressão por parte do indivíduo que sofre com a síndrome do pequeno poder não passe a ser vista como normal em algum momento.

Especialistas indicam que a opressão não seja aceita e nem alimentada, mas também é importante tomar cuidado com reações muito agressivas.

O ideal é combater a raiz desses problemas, que podem ter origens sociais, já que toda relação de poder é uma construção da sociedade, que ainda trabalha com conceitos ultrapassados de hierarquia.

Neste caso, o oprimido só continua sendo rebaixado se ele se permitir. Lembrar que a síndrome do poder não significa que o indivíduo, de fato, exerce algum poder sobre você é o primeiro passo para se livrar deste tipo de comportamento na sua vida.

Leia Também: Empatia no Trabalho: Como e Por que Adotar Esse Conceito

Entenda o que é a síndrome do pequeno poder e saiba como combatê-la
4.8 (95%) 4 vote[s]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *