Entenda a importância de existir diferentes tipos de bonecas

Os diferentes tipos de bonecas para todos os tipos de crianças brincarem e serem felizes

Ao entrar em uma loja de brinquedos, poucas pessoas notam que praticamente todas as bonecas têm em comum: a cor de pele, o formato corporal, os cabelos e outras características “físicas”. A padronização das bonecas segue apenas um perfil e, geralmente, esse perfil falha em abordar a diversidade da população real – e isso pode ser um problema, principalmente no que diz respeito à autoimagem da criança e a sua percepção dos outros.

Fabricar bonecas que seguem um padrão de beleza pode até ser a opção mais “segura” no que diz respeito às vendas, mas o efeito colateral disso pode ser bastante prejudicial. O corpo considerado bonito e saudável (magro e branco) é, na realidade, o que menos se encontra naturalmente na população brasileira. Mesmo assim, somos ensinados que esses são os corpos “ideais”, e que todos nós deveríamos atender a esses requisitos. Por isso, a maioria das pessoas retratadas na mídia e na publicidade se encaixam nessa padronização.

A importância da diversidade na infância

A pequena criança brincando com a sua boneca na escola está muito feliz

É logo na infância que as primeiras experiências em coletivo acontecem. Desde muito cedo, as crianças são expostas à identidades diferentes das que já conhece (de membros da família e de amigos próximos) e passa a ter contato com outras pessoas. E é a partir de uma mistura de todas essas influências que ela construirá a sua própria identidade.

Isso, por si só, já justifica uma educação infantil com ênfase na diversidade e inclusão e a desconstrução de preconceitos e de padrões que não condizem com a realidade brasileira. E essa desconstrução, tanto para crianças quanto para adultos, se dá através da representatividade, que significa retratar e recriar todas as formas de identidade (pessoas negras, gordas, LGBTQ+, com deficiência, entre muitas outras existências) de forma positiva e real.

No caso das crianças, a responsabilidade é ainda maior. O ativista Nelson Mandela proclamou a icônica frase que serve de resumo para a abordagem da diversidade na infância: “ninguém nasce odiando uma pessoa pela cor da sua pele”, e isso vale para todas as formas de preconceito. Os pequenos dependem totalmente dos adultos para criar um imaginário diverso e inclusivo, que não aprendam preconceitos e saibam identificá-los como tal.

O papel da boneca na infância

Duas meninas alegres e bonitas brincando com as suas bonecas super felizes

Não importa se é de plástico, de pano, realista ou imitando desenhos animados: uma boneca é muito mais do que só um brinquedo. Segundo a abordagem pedagógica Waldorf, baseada nos estudos do filósofo Rudolf Steiner, o vínculo emocional entre esse brinquedo e uma criança é muito forte, portanto, é através da boneca que a criança desenvolverá seu afeto, sua autoestima, seus sentimentos e emoções.

Se a boneca é uma representação humana e uma extensão da própria criança e essa boneca não se parece com quem brinca com ela, o impacto na autoestima e no imaginário é negativo. Se uma criança só tem contato com brinquedos e atividades que obedeçam a um padrão de existência e que seja excludente, ficará muito mais difícil para ela conseguir desenvolver empatia e respeito por outras identidades que fujam do padrão, inclusive a sua própria.

Com o objetivo de estimular o imaginário infantil através das bonecas de pano foi que o projeto Preta Pretinha nasceu. Motivadas pela falta de representatividade, sentida ainda na infância, as irmãs Antonia Joyce, Lucia e Maria Cristina Venâncio viram na boneca negra um mercado promissor e uma chance de estimular o imaginário infantil para enxergar a diversidade.

O projeto Preta Pretinha nasceu com o objetivo de proporcionar às crianças oportunidade de criar diferentes narrativas para suas brincadeiras, além de poderem se identificar com o brinquedo que acaba sendo alvo de seu cuidado e afeto. Aperte o play no vídeo e conheça mais a história dessas mulheres inspiradoras e cheias de criatividade:

Leia também